Portal do Governo Brasileiro

Resultados do programa de avaliação do Projeto Caminhos do Cuidado são apresentados em Brasília

30 de Agosto de 2017

Encontro Presencial do AvaliaCaminhos acontece até quinta-feira (31/08), na Fiocruz Brasília, com a presença de importantes atores sociais do Projeto Caminhos do Cuidado e apresentações de trabalhos finais do curso de especialização do programa

Um momento repleto de reflexão e emoção para todos os atores envolvidos no projeto Caminhos do Cuidado. Esse foi o sentimento em comum dos participantes do “Encontro Presencial do AvaliaCaminhos”, que teve início na manhã de hoje (29/08), na Fiocruz Brasília, no Distrito Federal. O evento acontece até a próxima quinta-feira (31/08) para a apresentação dos resultados preliminares do Programa de Avaliação Institucional Educativa do Caminhos do Cuidado, sendo esta uma das ações da última etapa do projeto que se encerra oficialmente em novembro de 2017.

A ocasião contou com a presença de orientadores, articuladores, educadores e profissionais da área que estiveram num processo de construção conjunta de uma metodologia de avaliação de aprendizagem do projeto. Essa iniciativa foi coordenada pelo Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde (EducaSaúde/UFRGS) e teve como base a formação em Saúde Mental com ênfase em Crack, Álcool e Drogas, que aconteceu entre 2013 e 2015, para agentes comunitários de saúde e auxiliares/técnicos de enfermagem de todo o país.

Cerca de 40 Projetos de Intervenção (PIs) e mais de 120 Trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) também estão sendo apresentados durante toda a programação do evento. As produções foram desenvolvidas por discentes indicados pelas Escolas Técnicas do SUS e Escolas de Saúde Pública, a partir dos desdobramentos do curso de Especialização em Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação na Educação em Saúde Coletiva, que é uma das estratégias do AvaliaCaminhos e que também está em fase de conclusão.

 

Mesa de abertura

mesa

 

A mesa de abertura do encontro foi composta pelo representante do Departamento de Atenção Básica (DAB/MS), Marcelo Pedra; pelo representante da Área Técnica de Saúde Mental (SM/MS), Claudio Barreiros; pelo gerente geral da Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde (Fiotec), Adilson dos Santos; pela pesquisadora e coordenadora do projeto Caminhos do Cuidado, Maria Cristina Guimarães (ICICT/Fiocruz); e pela professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e representante do AvaliaCaminhos, Lisiane Bôer Possa.

A importância de não naturalizar tudo o que foi realizado no projeto foi um dos pontos principais da fala da coordenadora do Caminhos do Cuidado, Maria Cristina Guimarães. Ela explicou que a última meta do projeto era desenvolver uma estratégia de Educação Permanente em Saúde. “Inicialmente construímos o Observatório, que foi o primeiro desenho para deixar todo o conhecimento produzido para nós mesmos. Entretanto, refletimos que não poderíamos ir embora sem nos perguntar o que foi que aconteceu durante a caminhada”, enfatizou.

Na sequência, ela falou sobre como o AvaliaCaminhos foi idealizado. “O programa de Avaliação nasceu dentro deste guarda-chuva, a partir de uma visão crítica daquilo que tínhamos feito. É fundamental que a gente reflita sobre o quão importante e inovador foi o caminho derivado do processo de formação”, ressaltou Maria Cristina. Para finalizar, a coordenadora agradeceu a todas as instituições ali representadas na cerimônia, enfatizando que sem a participação delas, o Projeto Caminhos do Cuidado não teria chegado onde chegou.

“Não sabia que era impossível, foi lá e fez”. Essa foi a citação inicial da representante do AvaliaCaminhos, Lisiane Bôer. A professora ponderou três pontos que inicialmente considerou impossível do processo avaliativo, mas que tiveram êxito: a possibilidade de conviver com o diferente e se colocar no diálogo com ele; o fato do coletivo e da formação de redes, entre as escolas técnicas e elas comporem tanto com a Atenção Básica como com a Saúde Mental; e a troca de conhecimentos no território, considerando em especial a tamanha generosidade da escrita dos alunos e articuladores do curso de especialização.

“É muito generoso quem escreve, quem fala da sua pesquisa e quem coloca no mundo a possibilidade de em algum momento o outro poder se deparar com essa escrita e encontrar novos caminhos. Hoje o que teremos é a expressão da generosidade de vocês, a partir das suas construções e reflexões. É magnânimo que o programa se encerre com este processo de troca”, enfatiza Lisiane.

Por sua vez, o gerente geral da Fiotec, Adilson dos Santos, ressaltou a importância da experiência vivida com o projeto Caminhos do Cuidado. “Fomos inovando e aprendendo muito com este projeto. A Fiotec hoje é uma instituição completamente diferente depois do Caminhos do Cuidado. Fomos desafiados e encontrando soluções para os desafios. Em quase 20 anos de instituição, nós nunca tivemos um projeto nesta dimensão”, disse Adilson.

Para o representante da Área Técnica de Saúde Mental (SM/MS), Claudio Barreiros, a Saúde Mental, às vezes, tem a atuação baseada realmente pela síntese do impossível e pela possibilidade daquilo que se considera impossível. “O Caminhos do Cuidado tem essa representação e traz a marca do que a gente preconiza, defende e faz no cotidiano da Saúde Mental. Ele é um projeto que, na sua prática, representa os processos participativos da área”, declarou Barreiros.

Para finalizar o debate da mesa, o representante do Departamento de Atenção Básica (DAB/MS), Marcelo Pedra, diz que as marcas do Caminhos do Cuidado com certeza não se encerram com a conclusão do projeto. “No DAB, todas as outras formações que a área ia propondo, o projeto passava a ser a medida por ser uma experiência e não apenas um produto. Foi também a oportunidade de seguirmos afirmando a Redução de Danos na Atenção Básica”, observou Pedra. O profissional ressaltou, ainda, a importância de seguir com as produções cientificas sobre o Caminhos do Cuidado e que as experiências precisam ser sistematizadas.

 

Relatório AvaliaCaminhos

Ao final da manhã, os representantes do AvaliaCaminhos, Frederico Machado e Elzimar Peixoto, deram início a apresentação do “Relatório AvaliaCaminhos no território: metodologia, matriz avaliativa, capilaridades de um jeito de avaliar em Saúde”. Na sequência, toda a equipe que participou da construção dessa metodologia inovadora se uniu para explicar o detalhamento e as etapas de todo o processo de avaliação iniciado em setembro de 2015.

Segundo Frederico Machado, existia o enorme desafio de como avaliar o projeto, produzindo estratégias de Educação Permanente. Ele enfatiza que não poderia ser uma avaliação qualquer, precisava ter o espírito do Caminhos do Cuidado. “Consideramos duas questões que foram muito estratégicas nesta avaliação: a combinação e troca entre o curso de especialização e processo avaliativo, além da participação das ETSUS com a presença dos articuladores que puderam ser membros da equipe de avaliação nos territórios”, finaliza.

 

Projetos de Intervenção (PIs)

pi

 

Confira, abaixo, os títulos dos 41 Projetos de Intervenção (PIs) apresentados no encontro presencial:

• Integrando Áreas Técnicas e de Aprendizagem nos Processos de Formação da Escola Técnica em Saúde Maria Moreira da Rocha;

• Projeto de Capacitação em Saúde Mental;

• Avaliação Institucional Educativa dos Cursos Técnicos e Especializações Técnicas na Escola de Formação Profissional Enfermeira Sanitarista Francisca Saavedra – ETSUS/AM;

• A Avaliação Diagnóstica Processual e a Escola Técnica do SUS/AP – Centro de Educação Profissional Graziela Reis de Souza;

• Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação: uma Estratégia para Fortalecimento dos Processos de Trabalho na Escola de Formação Técnica em Saúde – ETSUS BAHIA;

• Avaliação Afetiva e Inclusão das Implicações Afetivas dos Alunos nos Processos de Avaliação Escola de Saúde Pública do Estado do Ceará;

• Possibilitamos uma Educação Emancipatória? Análise- Intervenção das Práticas Avaliativas do Curso Técnico de Enfermagem da Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia de Sobral, Ceará;

• Instrumento de Avaliação: uma Proposta para a Escola de Saúde Pública de Iguatu;

• Fortalecendo o Processo Avaliativo no Projeto Político Pedagógico da ETSUS Cariri – Escola Técnica Dr. Antônio Marchet Callou ETSUS Cariri;

• Construção de Estratégia Metodológica para Avaliação dos Cursos realizados pela ETSUS-Vitória Escola Técnica e Formação Profissional de Saúde Profª Ângela Maria Campos da Silva;

• A Necessária Integração Ensino-Serviço: Interfaces entre a Academia e Rede de Saúde Mental do Espírito Santo;

• As Perspectivas e os Desafios no Fortalecimento da ETSUS – Goiás;

• Implantação de Ferramenta Virtual para o Acompanhamento dos Processos Educativos Desenvolvidos pela Escola Técnica do Sistema Único de Saúde do Maranhão;

• Reflexões e Produção de Sentidos sobre Avaliação Escola de Saúde Pública de Minas Gerais;

• A Humanização nos Serviços de Saúde: a Formação Profissional e suas Contribuições Para a Operacionalização do Sistema Único de Saúde – SUS;

• Atuação dos ACS no Fortalecimento da Raps a Partir do Projeto Caminhos do Cuidado Escola Técnica do Sus Professora Ena De Araújo Galvão;

• Avaliação Institucional Interna Proposta de Construção do Projeto de Autoavaliação da Escola de Saúde Pública de Mato Grosso para Educação Profissional Técnica de Nível Médio;

• Elementos Constitutivos Rumo ao Plano de Desenvolvimento Institucional do Centro Formador de Recursos Humanos – CEFOR-RH/SES-PB Centro Formador de Recursos Humanos – CEFOR-RH/SES-PB;

• Implantação do Processo de Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva com Ênfase em Gestão de Redes de Saúde – Escola de Governo em Saúde Pública de Pernambuco;

• Projeto Politico Pedagógico da Escola Técnica do SUS do Piauí: uma Estratégia para o Fortalecimento do Processo Ensino Aprendizagem no SUS Escola Técnica do SUS do Piauí - Centro Estadual de Educação Profissional em Saúde "Monsenhor José Luis Barbosa Cortez";

• Análise da Articulação e Integração entre a Escola de Saúde Pública do Paraná e Centro Formador de Recursos Humanos Caetano Munhoz da Rocha e as Regionais de Saúde na Realização do Projeto Caminhos do Cuidado no Paraná;

• Reinventando a ETIS: a Educação Permanente em Saúde e a Educação a Distância como Práticas da Escola de Formação Técnica em Saúde Enfermeira Izabel dos Santos;

• A Importância da Avaliação na Qualificação dos Profissionais de Saúde para a Prática Docente no Centro de Formação de Pessoal para os Serviços de Saúde – Dr. Manoel da Costa Souza – CEFOPE/RN;

• Avaliação do Curso de Qualificação em Saúde Mental do Estado de Rondônia/RO;

• Avaliação Diagnóstica dos Processos Avaliativos Presentes no Estágio Profissional Supervisionado do Curso Técnico em Hemoterapia da ETSUS/RR;

• Refletindo Sobre a Avaliação de Processos Pedagógicos como Prática dos Núcleos Regionais de Educação em Saúde Coletiva no Rio Grande do Sul Escola Técnica do SUS/RS;

• Quem são e onde estão os Egressos da Escola GHC: sete anos de formação para o SUS;

• Avaliação do Processo Formativo do Curso de Formação Inicial do Agente Comunitário de Saúde (ACS). ETSUS Blumenau;

• Autoavaliação: um Exercício para Melhorias nos Processos e Fazeres Educativos da EFOS – Região de Saúde da Grande Florianópolis Escola de Formação em Saúde;

• Proposta Pedagógica para a Funesa: um Desafio Necessário;

• Avaliação Institucional como Movimento de Reflexão e Ressignificação do Projeto Político Pedagógico (PPP) – CEFORSUS/SP De Araraquara – São Paulo;

• Análise da Pactuação para a Execução do Curso de Formação de Conselheiros de Saúde para o Controle Social no SUS: Trilhando Novos Caminhos;

• Construção de um Plano Avaliativo para as Ações Educativas em Saúde Realizadas pela Secretaria Municipal de Saúde no Município de São Paulo. Escola Municipal de Saúde;

• Evasão Escolar (ou Desistência) no Curso de Especialização Técnica de Nível Médio em Enfermagem em Urgência e Emergência: Pesquisar para Entender as causas possíveis Centro Formador de Pessoal para a Saúde CEFOR/ETSUS de Franco da Rocha;

• Proposta de Inserção da Temática Álcool, Crack e Outras Drogas como Tema Transversal nos Currículos dos Cursos de Agente Comunitário de Saúde – ACS e Auxiliar em Saúde Bucal – ASB – Centro Formador de Pessoal para a Saúde de Assis;

• Educação Profissional: o Papel dos Gestores como Potencializadores do Reconhecimento, Incentivo e Participação Efetiva dos Trabalhadores da Saúde nos Cursos de Formação, Capacitação Providos pelo Centro de Formação de Recursos Humanos de Pariquera-Açu (CEFORH);

• Processos Educacionais na Escola Tocantinense do SUS: Olhar Avaliativo.

 

Por: Camila Cruz

Imagens: Jullia Mendonça e Pauliran Freitas

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mais notícias