Portal do Governo Brasileiro

Observatório do Cuidado relembra principais atividades dos projetos formativos esse ano

28 de Dezembro de 2018

Estamos na contagem regressiva para 2019 e antes de iniciarmos um novo ciclo gostaríamos de relembrar algumas das atividades que aconteceram no Observatório do Cuidado, envolvendo as ações dos projetos formativos. Confira!

Estamos na contagem regressiva para 2019 e antes de iniciarmos um novo ciclo gostaríamos de relembrar algumas das atividades que aconteceram no Observatório do Cuidado, envolvendo as ações dos projetos formativos ao longo desse ano que se encerra. Certamente vivenciamos um período de muita produção, desafios, metas cumpridas, escuta e aprendizados para todos os atores envolvidos nessa empreitada em prol do Cuidado Integral à Saúde e do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Vale lembrar que nossas ações são financiadas pelo Ministério da Saúde, coordenadas pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz) e conta com a parceira das Escolas Técnicas do SUS (ETSUS) e do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS/UFRN), reunindo também uma equipe de mais de cinquenta profissionais.

Confira, abaixo, as atividades de 2018 divididas por cada projeto formativo e por núcleos do Observatório do Cuidado!

 

Projeto Formação Integral em Saúde – Doenças Negligenciadas

Com sua execução aprovada em 2017, o projeto Formação Integral em Saúde – Doenças Negligenciadas (IntegraDN) começou a ser estruturado pelo viés pedagógico em 2018. Financiado pelo Departamento de Atenção Básica do Ministério da Saúde (DAB/SAS/MS) e coordenado pelo ICICT/Fiocruz, a iniciativa tem a meta de ofertar 100 mil vagas em todo o país para capacitações sobre a temática do projeto, sendo 10 mil para o curso de aperfeiçoamento para médicos e enfermeiros, e 90 mil para o curso de formação para agentes comunitários de saúde e agentes de combate de endemias.

O grupo condutor fez reuniões de planejamento durante o primeiro semestre de 2018 e, nos meses de agosto e setembro, encontrou-se com técnicos das áreas de Atenção Básica e Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde para debater, coletivamente, as possibilidades de integração das duas áreas na perspectiva da Educação Permanente, com foco especial para as condições de doenças negligenciadas. O projeto definiu como prioritários os seguintes agravos: Doença de Chagas, Doença Diarreica Aguda (DDA), Esquistossomose, Hanseníase, Hepatites Virais, Leishmanioses, Raiva, Tracoma e Tuberculose.

Também no mês de setembro foi realizada a 1ª Oficina de Elaboração dos Módulos Educacionais, que aconteceu em Brasília (DF). Na ocasião, o grupo condutor convidou cerca de vinte especialistas nos agravos e doenças negligenciadas prevalentes em áreas tropicais do país para formarem o grupo de conteudistas e construírem, em conjunto, o material didático que será utilizado nos cursos do projeto. Na ocasião, foram definidos conceitos importantes como de integração, territórios, negligência, riscos e vulnerabilidades.

Já a 2ª Oficina de Elaboração dos Módulos Educacionais aconteceu em outubro, em Natal (RN). A atividade foi proposta na cidade para que os especialistas pudessem conhecer a estrutura do LAIS/UFRN. A instituição é parceira na execução dos cursos com modalidade a distância dos outros projetos formativos do Observatório do Cuidado por meio da plataforma AVASUS.

No mês de dezembro, aconteceu a 3ª Oficina de Elaboração dos Módulos Educacionais. A última oficina de elaboração e estruturação dos materiais didáticos pelos conteudistas foi realizada em Brasília (DF). A próxima agenda do projeto será em fevereiro de 2019, quando o Núcleo Pedagógico do IntegraDN apresentará aos especialistas convidados o conteúdo preliminar dos cursos para a validação do grupo.

 

Projeto Itinerários do Saber

O Itinerários do Saber iniciou as formações profissionais no ano de 2017 em parceria com as Escolas Técnicas do SUS (ETSUS) e, no decorrer de 2018, realizou atividades importantes. O projeto tem por objetivo promover o desenvolvimento de estratégias para a qualificação dos profissionais de saúde de nível médio/técnico, permeando os eixos temáticos prioritários: Acolhimento em Saúde, Saúde Mental, Segurança do Paciente e Vigilância em Saúde. Para além disso, o Itinerários do Saber atende também algumas demandas de formações específicas do Ministério da Saúde.

Ao todo, a meta prevista é ofertar 150 mil vagas para profissionais de nível médio/técnico e 2,5 mil vagas para tutores. Os cursos possuem carga de 60 horas e acontecem nas modalidades: presencial, semipresencial e/ou a distância. Em sua fase atual, a Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (SGTES/MS) está em período de validação de novas formações enviadas por demanda pelas ETSUS. No primeiro semestre de 2019, as formações serão retomadas.

No mês de fevereiro, a “Segunda Oficina do projeto Itinerários do Saber” serviu para discutir questões norteadoras de formação sobre a temática de Segurança do Paciente. Após o projeto receber mais cinquenta demandas de cursos pelas ETSUS, a oficina foi idealizada e representantes de 25 ETSUS estiveram reunidos, no Rio de Janeiro, para a elaboração de um Marco Situacional do Plano Pedagógico Participativo baseado na temática e com foco nas particularidades das cinco regiões do país.

Por sua vez, entre 27 de fevereiro e 15 de março, foi realizada a segunda e última rodada de encontros presenciais do “Curso de Capacitação para implantação de Cursos de Especialização Técnica de Nível Médio de Enfermagem em Linhas de Cuidado e de Capacitação em Linhas do Cuidado para os Agentes Comunitários de Saúde”. As aulas aconteceram nas Escolas Técnicas do SUS e foram coordenadas pelo projeto em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

No mês de abril, este curso de capacitação consolidou os Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC) construídos pelos alunos durante o processo de aprendizagem. Esses projetos foram baseados na Diretriz para Capacitação de Agentes Comunitários de Saúde (ACSs) em Linhas de Cuidado e em quatro Diretrizes para Especializações Técnicas em Enfermagem em Linhas do Cuidado, nas seguintes temáticas: Saúde Materna, Neonatal e do Lactente; Atenção Psicossocial; Urgência e Emergência; Doenças Crônicas. A formação teve início em outubro de 2017 e ofertou cerca de 300 vagas para profissionais indicados pelas Escolas Técnicas do SUS. O público-alvo do curso foram enfermeiros, gestores, docentes e/ou profissionais de saúde.

Já no período de março, abril, junho, julho e setembro, a equipe do projeto também realizou reuniões periódicas com a equipe da Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição (CGAN) e da Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES), ambas do Ministério da Saúde. O intuito dos encontros foi iniciar estruturação de uma qualificação profissional em alimentação e nutrição, com foco em Obesidade. A expectativa é ofertar, a partir de 2019, mais de 16 mil vagas nas cinco regiões do país, por meio de curso de 60 horas semipresenciais.

 

Projeto Formação Técnica em Órteses e Próteses para o Fortalecimento do SUS

Outro projeto formativo que está em processo de estruturação é o de Formação Técnica em Órteses e Próteses para o Fortalecimento do SUS (TOP). Desde fevereiro até o momento, encontros aconteceram para a formulação de uma qualificação inovadora e específica voltada para profissionais que já atuam em órteses e próteses no sistema público de saúde em todo o país. A previsão é que sejam ofertadas 246 vagas, com 1.200 horas de carga horária, na modalidade semipresencial, com aulas práticas presenciais e a distância.

As reuniões do grupo condutor do projeto com especialistas da área aconteceram nos meses de fevereiro, março, agosto, setembro, novembro e dezembro, tanto na sede da SGTES/MS em Brasília (DF), quanto no escritório do Observatório do Cuidado no Rio de Janeiro (RJ) e no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER), em Goiânia (GO). Este último é reconhecido como Centro Especializado em Reabilitação pelo Ministério da Saúde e foi acreditado com excelência pela Organização Nacional da Acreditação (ONA).

 

Articulação Acadêmico-Pedagógica e Núcleo Pedagógico

As equipes da Articulação Acadêmico-Pedagógica e do Núcleo Pedagógico são responsáveis pelo suporte educacional aos projetos formativos do Observatório do Cuidado. A Articulação Acadêmico-Pedagógica atuou, ao longo de 2018, especialmente na integração com as ETSUS dando suporte junto ao sistema de workflow (fluxo de trabalho), na captação das demandas de formações, na criação de cursos e turmas, na manutenção do banco de tutores, na síntese dos relatórios dos assessores pedagógicos, bem como no recebimento dos materiais didáticos enviados pelas instituições. Quanto à esta última atividade, a equipe trabalha em conjunto com as Coordenações de Infraestrutura e Logística e Coordenação de Informação e Comunicação para a compra de materiais, revisão, diagramação, impressão, depósito no Repositório e disponibilização para as Escolas Técnicas.

Por sua vez, o Núcleo Pedagógico foi criado em setembro e está ligado especificamente ao projeto IntegraDN. A área trabalha na elaboração dos materiais didáticos do projeto e na construção dos módulos autoinstrucionais junto aos conteudistas. Desde então, foram organizadas cinco reuniões gerais da equipe no Rio de Janeiro, além da participação dos profissionais do núcleo em todas as oficinas de elaboração dos módulos educacionais do projeto. O setor organiza o fluxo do caminho pedagógico a ser percorrido e faz a articulação com os conteudistas convidados. A partir do próximo ano, a expectativa é que o grupo acompanhe também todo o percurso formativo dos cursos.

Para além disso, a equipe trabalha, ainda, na elaboração e estruturação do curso de aperfeiçoamento “Gestão da Atenção Básica na Contemporaneidade”, que terá início em 2019, com aulas semipresenciais e encontros quinzenais por seis meses. A formação será voltada para profissionais que atuem no Departamento de Atenção Básica/SAS/MS. Esta é uma demanda do Ministério da Saúde e faz parte das ações do IntegraDN.

 

Editoria de Pesquisa e Produção

O ano de 2018 foi um período de importantes conquistas para a Editoria de Pesquisa e Produção (EPP) e para a Revista Cadernos do Cuidado. Este último é um periódico de publicações semestrais ligado ao Observatório do Cuidado que possui conteúdo de acesso aberto e gratuito, com foco na produção de conhecimento no campo do Cuidado Integral à Saúde. Desde o seu lançamento já foram publicados 24 trabalhos originais.

Em 2017 aconteceu a primeira chamada da revista que resultou, ao todo, em dois volumes contendo três edições e um suplemento com produções inéditas sobre a temática do projeto Caminhos do Cuidado. As publicações aconteceram em dezembro de 2017 e também, em 2018, nos meses de junho e dezembro.

A primeira edição trabalhou com o título “Caminhos do Cuidado: que pedagogia em larga escala é essa?”. Já a segunda foi intitulada “Política, Ética e Cuidado para a formação de recursos humanos do SUS” e, a terceira, possui o título “Caminhos do Cuidado: itinerário de aprendizagem, saber e (trans)formação”. Todas as edições desta chamada contaram com a coordenação do editor científico convidado, o professor e pesquisador da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Roberto Tykanori.

Em janeiro, a equipe do Observatório do Cuidado se reuniu com atores do projeto “Percursos Formativos na Rede de Atenção Psicossocial” (o qual possui foco na troca de experiências entre equipes dos serviços de Saúde Mental de diferentes estados e municípios) com objetivo de articular uma proposta de escrita colaborativa para que as produções sejam publicadas em edição especial da Revista Cadernos do Cuidado no ano de 2019. O encontro aconteceu na Fiocruz Brasília, no Distrito Federal, e teve o apoio do Núcleo de Saúde Mental, Álcool e outras Drogas da Instituição.

Em abril, após apenas quatro meses do lançamento, a Revista Cadernos do Cuidado conseguiu aprovação de registro e teve seu número de identificação atribuído no ISSN (International Standard Serial Number). Essa identidade é aceita internacionalmente e tem o objetivo de individualizar o título de uma publicação seriada, ou seja, o número se torna único e exclusivo do título da publicação ao qual foi atribuído.

Segundo a editoria executiva do periódico, essa conquista consolidou a legitimação da revista e impulsiona o grupo a alcançar a excelência de um periódico científico. Os próximos passos agora serão o registro do DOI, que é um identificador digital para facilitar a recuperação de informação, bem como a padronização da revista e sua inclusão em listas de diretórios e indexadores.

No mês de agosto, o Cadernos do Cuidado abriu o período para submissão para novas edições. A secretária substituta e diretora do Departamento de Gestão da Educação na Saúde do Ministério da Saúde (DEGES/MS), Cláudia Brandão, foi convidada para compor a editoria da revista que terá como temática a “Educação Interprofissional (EIP) como estratégia para o desenvolvimento de equipes para atuação em redes integradas de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS)”. As publicações oriundas da chamada pública também estão previstas para 2019.

 

Assessoria de Comunicação

A Assessoria de Comunicação tem como missão publicizar as atividades do Observatório do Cuidado e dos projetos formativos, bem como desenvolve atividades relacionadas à produção de conteúdos institucionais, comunicação visual, comunicação interna, revisão de materiais didáticos e suporte em eventos. Ao longo de 2018, a equipe publicou em seus canais dois relatórios relacionados ao encerramento do projeto Caminhos do Cuidado. Os documentos “Há escolas que são asas - Projeto Caminhos do Cuidado: uma tecnologia social em saúde junto às Escolas Técnicas do SUS” e o “Relatório Final do projeto Caminhos do Cuidado” estão disponíveis no site do Observatório do Cuidado.

Em janeiro, foi lançado o livro digital (E-book) com 37 Projetos de Intervenção (PIs) produzidos pelos alunos do curso de Especialização em Acompanhamento, Monitoramento e Avaliação na Educação em Saúde Coletiva. A formação, coordenada pelo Núcleo de Educação, Avaliação e Produção Pedagógica em Saúde (EducaSaúde/UFRGS), foi uma das estratégias do Programa de Avaliação Institucional Educativa do Caminhos do Cuidado (AvaliaCaminhos), concluído em 2017. As equipes de Assessoria de Comunicação e da Editoria de Pesquisa e Produção trabalharam juntas para a organização e diagramação do material.

Outra ação importante foi a criação de um novo Espaço de Relacionamento. Desenvolvida em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a plataforma ComunicaSUS foi adaptada especialmente para atender as demandas do Observatório do Cuidado. Lançada em maio, a ferramenta customizada possui programações próprias para atender as solicitações, dos usuários em geral e de alunos, que chegam virtualmente e que são encaminhadas aos diversos setores do Observatório do Cuidado que atendem aos projetos formativos.

 

Repositório

O Repositório é um espaço que reúne e disponibiliza, em acesso aberto, a produção intelectual desenvolvida nos projetos formativos do Observatório do Cuidado. Criado no âmbito do projeto Caminhos do Cuidado – Formação em Saúde Mental (Crack, álcool e outras drogas) em 2015, a coordenação técnica optou, em meados de 2018, por englobar as novas temáticas que abarcam os outros projetos formativos.

Por isso, hoje estão sendo trabalhadas sete temáticas no Repositório: Atenção Básica, Acolhimento em Saúde, Nutrição, Saúde da Pessoa com Deficiência, Saúde Mental, Segurança do Paciente e Vigilância em Saúde. Mais de 300 documentos foram depositados na plataforma este ano, para além dos quase 1.100 que já haviam anteriormente relacionados à temática de Saúde Mental.

 

Infraestrutura e Logística

O núcleo de Infraestrutura e Logística, ao longo de todo o ano, manteve suas atividades de gestão operacional dos projetos formativos do Observatório do Cuidado, administrando a execução de turmas, a compra de passagens aéreas, pagamento de diárias, contratação de serviços e de recursos humanos, bem como atua na organização de eventos. A área administra, ainda, as atividades de secretaria executiva da coordenação e secretaria acadêmica para encerramento de turmas e certificação, assim como fica a frente do suporte tecnológico do Sistema de Workflow (Fluxo de trabalho) das formações.

 

Por: Camila Cruz

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mais notícias